26 fevereiro, 2010

Dia Internacional da Mulher e Pessoa

Para comemorar, no dia 8 de Março, O Dia Internacional da Mulher, a Casa Fernando Pessoa vai entregar um prémio a 2 mulheres.

20 fevereiro, 2010

Maria, a abelha do mar

Nos dias 15 e 16 de Março, no âmbito da Semana da Leitura, os alunos do Agrupamento de Escolas Elias Garcia vão ter o prazer de conhecer a autora, Cristina Salomão, e o ilustrador, Carlos Laranjeira, da obra “ Maria, a abelha do Mar”.
Vamos todos descobrir um mundo surpreendente e mágico.

Titeuf - O Amor é bué da estranho

Responde no espaço comentários ou na tua BE-CRE.

19 fevereiro, 2010

CONCURSO PRESIDENTES DA REPÚBLICA

No âmbito da comemoração do Centenário da República, e para dar continuidade ao Concurso anual sobre os Presidentes da República, lê a biografia de Bernardino Machado e responde às 3 questões que se seguem. Podes utilizar o espaço "Comentários" ou responder numa ficha na tua BECRE.


Bernardino Machado


Bernardino Luís Machado Guimarães era em tudo (menos no ideário republicano) o oposto de Teófilo Braga: aprumado, rico, pai de família, vaidoso, cavalheiro, ambicioso. Tratava os seus piores inimigos por "meu queridíssimo amigo".

Nasceu no Rio de Janeiro em 28 de Março de 1851, filho de pai português António Luís Machado Guimarães e de mãe brasileira, Praxedes de Sousa Ribeiro Guimarães.

A família regressou a Portugal em 1860 e vai viver para uma povoação do concelho de Vila Nova de Famalicão chamada Joanes. O pai receberá o título de 1º Barão de Joanes.

Ao atingir a maioridade, em 1872, Bernardino Machado optou pela nacionalidade portuguesa. Casou, em 1882, com Elzira Dantas, de quem teve 18 filhos.

Bernardino Machado foi sempre um lutador, sem deixar de ser galante, tirava o chapéu a toda a gente que o cumprimentava.

Há inúmeras caricaturas sobre este curioso hábito do 3º Presidente da 1ª República portuguesa, como da sua numerosa prole, que inspirou inúmeros desenhos a Rafael Bordalo Pinheiro e a Francisco Valença, entre outros.

Em 1866, Bernardino Machado matriculou-se na faculdade de Matemática, em Coimbra, e no ano seguinte em Filosofia, tendo-se doutorado com apenas vinte e oito anos nessas duas especialidades. Foi um aluno brilhante e depois professor.

Deputado do Partido Regenerador, entre 1882 e 1886, e Par do Reino em 1890, Ministro das Obras Públicas, Comércio e Indústria, desde Fevereiro a Dezembro de 1893, teve uma acção muito positiva na reformulação do ensino profissional e inovou os sectores da agricultura, comércio e indústria (escreveu mesmo "A Agricultura", em 1899). Desiludido com a Monarquia, aderiu ao Partido Republicano Português em 1903.

Implantada a República, na qual não participa directamente, será no Governo Provisório Ministro dos Negócios Estrangeiros, por sugestão de Afonso Costa, onde teve uma acção importante no reconhecimento da nova república por parte dos países estrangeiros. Renovou a aliança com a Inglaterra e organizou o primeiro Congresso de Turismo. A 1 de Novembro de 1913 foi o primeiro embaixador de Portugal no Brasil.

Bernardino Machado, que aderira à Maçonaria, era já Grão-mestre em Julho de 1895. Primeiro-ministro em 1913, num período de lutas partidárias, vem a ser eleito Presidente da República em 6 de Agosto de 1915.

Durante a 1ª Grande Guerra defende a participação de Portugal no conflito. A Alemanha declarou guerra a Portugal em 9 de Março de 1916. Bernardino Machado tentou um acordo de tréguas (uma "União Sagrada") entre os três partidos perante o tão grave período da Guerra, mas sem total sucesso. Foi o general Norton de Matos quem organizou o Corpo Expedicionário cujos contingentes embarcaram para França em Janeiro de 1917.

O período em que Bernardino Machado foi Presidente da República foi de grande agitação social. Desde o início da Guerra, em 1914, que começaram a escassear produtos de primeira necessidade. Quase não havia farinha, nem carvão. Lisboa ficou sem eléctricos, sem luz e sem polícia nas ruas depois da 11 horas da noite.

O chefe do Governo era Afonso Costa. E é contra este político que se vão avolumando críticas e ódios até que, na ausência de Bernardino Machado, que se encontrava em Londres, um movimento revolucionário, liderado por Sidónio Pais, derrubou o governo a 5 de Dezembro de 1917. A população esfomeada aproveitou para assaltar as lojas e Sidónio Pais toma então conta do poder. Demite o Presidente Bernardino Machado e quando Afonso Costa regressa do estrangeiro é preso no Porto. Em Lisboa, a casa de Afonso Costa é saqueada e os móveis lançados à rua. Afonso Costa parte, com familiares, para um exílio de onde nunca mais voltou.

Sidónio Pais faz-se eleger Presidente da República, por sufrágio universal, em Abril de 1918 e à revelia da Constituição de 1911. Bernardino Machado recusou resignar à Presidência, mas foi detido no Palácio de Belém durante uns dias. Depois é-lhe imposto o exílio. Parte para França no Natal de 1917, acompanhado de parte da família, onde irá perder uma filha e onde não desiste de lutar pelo retorno à legitimidade da vida política Portuguesa. Regressará em 1919.

 Adriana Verdades Turma, nº1 - 6º C
SABER + em : http://manuel-bernardinomachado.blogspot.com/

Questões:



1 - Como é que Bernardino Machado costumava tratar os seus piores inimigos?


2 – Em que data Bernardino Machado foi eleito 3º Presidente da República?


3 – Quem demitiu Bernardino Machado de Presidente da República? Quando?

11 fevereiro, 2010

Semana dos Afectos na BECRE Elias Garcia


ACTIVIDADES na SEMANA dos AFECTOS no Agrupamento ELIAS GARCIA


O Projecto Saberes e Sabores prepara o Dia dos Namorados. (Saber+Aqui)

Xico Braga vem à EBI Elias Garcia

No dia 15 de Março, no âmbito da Semana da Leitura, os alunos da EBI Elias Garcia vão poder conhecer e conversar com o escritor Xico Braga.

Xico Braga nasceu em 1950 e reside em Corroios desde 1987.

Foi professor em Corroios na Escola Secundária Moinho de Maré.

Escreveu vários livros:
Estórias de um avô (Infantil, 2007)
Estórias para um neto (Infantil, 2009)


08 fevereiro, 2010

Concurso Nacional de Leitura - Fase Distrital

No âmbito do Plano Nacional de Leitura, dinamizada pelos professores de Língua Portuguesa em parceria com a Biblioteca Escolar, realizou-se, na passada 5ª Feira, dia 14 de Janeiro, a primeira fase do Concurso Nacional de Leitura.

Após esta 1ª eliminatória a nível de escola, os três alunos que conseguiram passar à fase distrital vão ler as seguintes obras:
Diário Cruzado de João e Joana, de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada;
O Sonhador, de Ian McEwan.










Vamos todos torcer para que consigam estar presentes na Final Nacional,
e quem sabe GANHAR!